O dia em que Ratzinger explicou por que é errado votar em candidatos pró-aborto

O dia em que Ratzinger explicou por que é errado votar em candidatos pró-aborto

Compartilhe com seus amigos!

Há alguns anos atrás, o cardeal Joseph Ratzinger, prefeito há mais de 20 anos da Congregação para a Doutrina da Fé, explicou por que é um pecado para votar em candidatos que defendem o aborto.

A carta enviada pelo atual Papa Bento XVI aos bispos dos Estados Unidos tinha a ver com a disposição de negar a Eucaristia aos políticos em favor do aborto. Ele afirmou que “um católico seria culpado de cooperação formal no mal, e tão indigno de se apresentar para a Sagrada Comunhão, se deliberadamente votar em um candidato precisamente por causa da atitude permissiva do candidato sobre o aborto e/ou eutanásia” .

O texto, que foi enviada por ocasião da Assembleia Plenária do Episcopado americano realizado em junho de 2004, a importância recuperou estes dias após o Arcebispo de Arequipa, no Peru, Mons. Javier del Rio Alba, afirmou que é um pecado para votar em candidatos eleições presidenciais que favorecem o aborto, como Verónica Mendoza (Frente Ampla) ou Alfredo Barnechea (Ação Popular).

A seguir, a carta completa do Cardeal Ratzinger aos bispos dos Estados Unidos:

Dignidade para receber a Sagrada Comunhão

Princípios gerais

1. Apresentar-se para receber a Sagrada Comunhão deve ser uma decisão consciente, baseada num juízo fundamentado sobre a sua própria dignidade, de acordo com os critérios objetivos da Igreja, fazendo perguntas como: “Estou em plena comunhão com a Igreja Católica? Eu sou culpado de algum pecado grave? Eu incorri em alguma penalidade (por ex., Excomunhão) que me proíbe de receber a Sagrada Comunhão? Eu preparei jejum por pelo menos uma hora antes? “A prática de apresentar-se indiscriminadamente para receber a Sagrada Comunhão, meramente como uma consequência de estar presente na Missa, é um abuso que deve ser corrigido ( Instrução cf. Redemptionis Sacramentum, números 81 83 ).

2. A Igreja ensina que o aborto ou a eutanásia são pecados gravíssimos. A Carta Encíclica Evangelium vitae, relativa a decisões judiciais ou leis civis que autorizam ou promovem o aborto ou a eutanásia, declara que há “uma obrigação séria e clara de se opor por objeção de consciência”. No caso de uma lei intrinsecamente injusta, como uma lei que permite o aborto ou a eutanásia, nunca será lícito obedecê-las, ou participar de uma campanha de propaganda a favor de tais leis ou mesmo votar nelas ‘ “(n. 73 ).

Os cristãos têm ” uma grave obrigação de consciência de não cooperar formalmente em práticas que, mesmo que sejam permitidas pela legislação civil, são contrárias à lei de Deus . De fato, do ponto de vista moral, nunca é lícito cooperar formalmente com o mal. […] Essa cooperação nunca pode ser justificada invocando o respeito pela liberdade dos outros ou apelando para o fato de que o direito civil a permite ou exige ”(nº 74).

3. Nem todas as questões morais têm o mesmo peso moral que o aborto e a eutanásia. Por exemplo, se um católico discordar do Santo Padre sobre a aplicação da pena de morte ou a decisão de fazer a guerra, não seria considerado, por essa razão, indigno parecer receber a Sagrada Comunhão.

Enquanto a Igreja exorta as autoridades civis para buscar a paz, não a guerra, e de discrição e misericórdia na imposição de punição a criminosos, ainda seria permitido pegar em armas para repelir um agressor ou a recorrer à pena capital. Pode haver uma legítima diversidade de opinião entre os católicos sobre a guerra e a aplicação da pena de morte, mas não sobre o aborto e a eutanásia.

4. Para além do julgamento de um indivíduo sobre o seu merecimento de se apresentar para receber a Santa Eucaristia, os ministros da Comunhão podem se encontrar em uma situação em que devem recusar-se a distribuir a sagrada Comunhão a alguém, como no caso de um declarado excomungado, um declarado em interdito, ou uma pessoa que persista em um pecado grave manifesto (cf. cân. 915).

5. Em relação ao pecado grave do aborto ou da eutanásia, quando uma pessoa coopera formal e publicamente (entendido, no caso de um político católico, como fazer campanha e votar em leis de aborto e eutanásia permissivas), o Pastor deve se encontrar com ele, instruindo sobre os ensinamentos da Igreja, informando-o de que não deve ser apresentada à Santa Comunhão até o fim da situação objetiva do pecado , e avisando-o que de outra forma haverá de ser negada a Eucaristia.

6. Quando “estas medidas de precaução não tiveram seu efeito ou quando eles não teria sido possível”, e a pessoa em questão, com persistência obstinada, ainda apresenta-se a receber a Sagrada Comunhão, “o ministro da Comunhão deve recusar-se a distribuí-lo” (Ver Declaração do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos “Santa Comunhão e Divórcio, Católicos Recasados ​​Civilmente” [2002], números 3-4).

Esta decisão, propriamente falando, não é uma sanção ou penalidade. Nem é que o ministro da Santa Comunhão está fazendo um julgamento sobre a culpa subjetiva da pessoa, mas que ele está reagindo à indignidade pública da pessoa em receber a Santa Comunhão devido a uma situação objetiva de pecado.

Fonte: ACI Prensa

Compartilhe com seus amigos!