QUANDO O SILÊNCIO NÃO É A RESPOSTA

QUANDO O SILÊNCIO NÃO É A RESPOSTA

 

QUANDO O SILÊNCIO NÃO É A RESPOSTA

Em meio as discussões e disputas ocasionadas pelas denúncias de graves erros doutrinários, abusos litúrgicos e instrumentalização da Igreja para a promoção de uma agenda esquerdista por parte da CNBB, surgiram muitos sofismas e ideias equivocadas, especialmente por quem se esforçava para defender o indefensável ou silenciar os denunciantes.

Algumas verdades precisam ficar bem claras:

01 – AS GRAVES DENÚNCIAS FORAM FEITAS COM BASE EM FATOS E PODEM SER COMPROVADAS COM FARTA DOCUMENTAÇÃO

Muitos tentaram desqualificar as denúncias dizendo que se tratavam de fofocas, mal-entendidos, meias verdades ou mesmo mentiras, quando na realidade se tratam de fatos que podem ser demostrados de maneira clara e inequívoca.

02 – EXPOR OS ERROS DA CNBB NÃO SIGNIFICA ATACAR A IGREJA

Não se pode simplesmente identificar a Igreja com a CNBB, do contrário teríamos que aceitar que a Igreja Católica mudou sua doutrina, ou, o que é pior, que está fadada ao erro no tocante ao seu ensinamento de fé e moral; pois há uma clara discrepância entre a doutrina da Igreja Católica e o que ensina a CNBB.

Por exemplo:

– A Igreja Católica ensina que a legítima defesa é um direito e até mesmo um dever, podendo-se fazer uso das armas para repelir o agressor; mas a CNBB é contra o direito do cidadão de bem possuir armas e está militando pelo desarmamento;
– A moral católica ensina que os criminosos devem ser impedidos de continuar atuando e serem separados do convívio social; enquanto as cartilhas da CNBB ensinam que prisão não resolve, defendendo uma política de desencarceramento;
– A Igreja Católica condena o socialismo, mostrando ser este incompatível com a fé cristã; enquanto a CNBB pauta boa parte de sua visão de sociedade em uma perspectiva socialista;
– A Igreja Católica defende a propriedade privada e condena a invasão das mesmas; enquanto a CNBB incentiva a invasão de terras e financia o MST e outros movimentos revolucionários que promovem invasões e depredações;
– A Igreja Católica na defesa da família combate vigorosamente a ideologia de gênero; enquanto a CNBB em suas cartilhas utiliza a terminologia dos ideólogos de gênero.

Por essas e muitas outras é que não se pode de modo simplista identificar a Igreja Católica com a CNBB, a doutrina católica e o ensinamento da CNBB.

03 – A IGREJA CATÓLICA É NOSSA MÃE E MESTRA E NÃO A CNBB

Embora sejam estruturas legais e previstas no Direito Canônico, as Conferências Episcopais não fazem parte da hierarquia da Igreja Católica, de modo que suas iniciativas, doutrinas ou declarações não obrigam nem o clero nem os fiéis, salvo naquilo que é previsto pelo próprio direito ou determinado pela Santa Sé.

Portanto, não se pode dar à Conferência Episcopal o mesmo status e função que tem a Igreja mesma. Neste sentido podemos afirmar que somos filhos da Igreja e não da CNBB.

04 – A EXPOSIÇÃO DAS GRAVES MAZELAS PROTAGONIZADAS PELA CNBB, PRECISAVAM SER PÚBLICAS, UMA VEZ QUE FORAM FEITAS PUBLICAMENTE E INDUZIRAM AO ERRO E A CONFUSÃO MUITÍSSIMOS FIÉIS

Alguns levados por um entendimento equivocado de prudência e caridade, afirmaram que mesmo que houvessem erros, estes deveriam ser tratados de modo privado com as autoridades e não veiculados publicamente nas redes sociais, para que não se expusesse e escandalizasse a Igreja… Desta forma, os cometedores dos abusos e mesmo as graves faltas não ficariam expostas (como tem acontecido a décadas) e o povo continuaria sendo enganado, levado a pensar que a Igreja estava “mudando”, propondo uma nova doutrina aos fiéis que permaneciam a mercê da heterodoxia de muitos de seus pastores.

Quem é que pode explicar essa loucura???

Será possível que tais pessoas não compreendem que o que está em questão é a credibilidade da verdadeira Igreja e o bem e a salvação de muitas almas?

O erro publicamente feito deve ser publicamente corrigido quando põe em risco a compreensão e a vivência da verdadeira doutrina e a fé dos fiéis, especialmente dos mais simples.

05 – DIANTE DO GRAVE ATAQUE A FÉ E DA INSTRUMENTALIZAÇÃO DA IGREJA PARA FINS ALHEIOS A SUA NATUREZA, O SILÊNCIO NÃO APENAS DEIXA DE SER VIRTUOSO, MAS SE TORNA DANOSO

A proposição do silêncio para não se faltar o respeito as autoridades constituídas ou mesmo para preservar o recolhimento quaresmal, não é oportuno na presente circunstância de deturpação da fé e do ensinamento da Igreja.

É preciso expor o erro para que aqueles que querem seguir a doutrina da Igreja tenham consciência que muitos ensinamentos da CNBB não corresponde ao que a Igreja sempre ensinou e assim sejam cobradas as devidas respostas das competentes autoridades.

Podemos fazer silêncio de nossas vontades próprias, murmurações ou daquilo que se refere a nossa vida pessoal, mas não é conforme a caridade silenciarmos quando a fé de tantos está em jogo.

Todos os fiéis, incluindo sacerdotes e bispos, têm o dever de defender a fé diante das ameaças e de cobrar providências das autoridades.

O voto de obediência que fazem os clérigos não implica em fazer silêncio diante de graves desvios doutrinários e abusos que se cometam contra a fé e que podem levar à confusão os fiéis.

Expor erros, ainda que cometidos pelos superiores hierárquicos, não é faltar-lhes o respeito, do contrário São Paulo não teria corrigido publicamente seu superior, e muitos santos não teriam feito o mesmo no decorrer da longa história da Igreja. Deve-se supor que agiram motivados por verdadeiro zelo e caridade. Quem poderia dizer o contrário?

Às vezes é necessária mais humildade para suportar as incompreensões e injustas acusações do que para silenciar-se diante de determinados problemas e assim não ser alvo das represálias das autoridades que se sentem atingidas.

06 – OS QUE EXPUSERAM AS GRAVES DENÚNCIAS NÃO O FIZERAM PARA “VER O CIRCO PEGANDO FOGO”, MAS POR AMOR A IGREJA E POR ZÊLO PARA COM A VERDADE

É temeraria e injusta a acusação de que os que fizeram as graves denúncias sejam agitadores, rebeldes e insolentes, que não têm respeito as autoridades e querem promover divisão na Igreja.

Se trata de pessoas sérias, que amam a Santa Igreja de Deus e estão desejosas de que os católicos sejam formados na sã doutrina e vejam celebrados com dignidade e respeito os Sagrados Mistérios de nossa fé. São jovens e adultos, pais e mães, leigos e sacerdotes que simplesmente desejam ver o rebanho de Deus ser conduzido na verdade e na santidade em meio a este mundo conturbado, até alcançar a Pátria Eterna.

Não se quer faltar a reverência, ao respeito e muito menos à obediência devidos a legítima autoridade.
Nem se quer que as autoridades faltem o respeito com os fiéis negando-lhes as justas explicações e a realização das devidas correções.

Tudo o que se deseja é que os erros sejam efetivamente corrigidos, e as ovelhas caminhem na verdade com seus pastores.

Devemos sim rezar muito para que tudo se conduza conforme a vontade de Deus e para que não se falte com a verdade nem com a caridade. Para que o profetismo não seja sufocado pelo silêncio inoportuno e por fim tudo concorra para o crescimento de todos, para a glória de Deus e o bem e salvação das almas.

Equipe Templário de Maria

 

Deslize para ver mais...

Veja Também:

JÁ OUVIU FALAR EM “JOELHOFOBIA”?
JÁ OUVIU FALAR EM “JOELHOFOBIA”?

“Joelhofobia” No simbolismo litúrgico oficial da Santa Igreja Católica Apostólica Romana, o ato de ajoelhar é o mais significativo gesto corporal de adoração à Nosso Senhor Jesus Cristo, Presente Verdadeiramente no Santíssimo Sacramento do Altar em Corpo, Sangue, Alma e Divindade (Catecismo da Igreja Católica, 1373-1381). Tenho escutado, entretanto, repetidos relatos de situações que fiéis

O Sacramento da Comunhão para quem vive a segunda união.
O Sacramento da Comunhão para quem vive a segunda união.

Desta vez atenho-me em compartilhar esse brilhante testemunho que evidencia os frutos da obediência que colhem aqueles que seguem a risca os ensinamentos de Jesus Cristo conservados pela Igreja desde sempre e para sempre. Como disse o Papa Pio XII: “O matrimônio entre batizados validamente contraído e consumado não pode ser dissolvido por nenhum poder

SEGUNDA-FEIRA – DIA DEDICADO ÀS ALMAS DO PURGATÓRIO
SEGUNDA-FEIRA – DIA DEDICADO ÀS ALMAS DO PURGATÓRIO

Poupai vossas lagrimas pelos defuntos e dai-lhes mais orações São João Crisóstomo A segunda-feira foi escolhida pela igreja como o dia dedicado a rezar pelas almas do Purgatório, por isso, celebram-se missas e costuma-se entoar ladainhas e terço pelos falecidos, como também é muito comum rezar-se a Novena pelas almas do Purgatório. CIC 1032. Este

O amor que devemos ter pela cruz de Jesus.
O amor que devemos ter pela cruz de Jesus.

A tentação de apresentar um cristianismo sem cruz revela-se, aos poucos, decepcionante, porque é somente na cruz que se descobre o amor de Deus. A cruz possui um significado inegociável para o cristianismo. É somente por meio do Cristo crucificado que se pode compreender “o poder de Deus” – (1Cor 1, 24) e a sua ação salvífica

A realidade supera a lenda – Existe mesmo Papai Noel?
A realidade supera a lenda – Existe mesmo Papai Noel?

Existe mesmo Papai Noel? Um pouco mais cedo ou um pouco mais tarde, toda criança faz esta pergunta. E os pais podem responder facilmente a seus filhos, contando-lhes a bela vida de São Nicolau. Ricardo Basso Aproxima-se o Natal! Nos centros comerciais vê-se freqüentemente um personagem com trajes de cores vivas, despertando a curiosidade geral

O ABORTO É MOTIVO DE EXCOMUNHÃO?
O ABORTO É MOTIVO DE EXCOMUNHÃO?

O ABORTO É MOTIVO DE EXCOMUNHÃO? O aborto é uma chaga que se alastra por quase todos os países. Atualmente, ele passou a ser considerado um ”direito”da mulher. Faz parte da chamada ”cultura da morte” que, aos poucos está sendo implantada no mundo. Contudo, mesmo passando de algo, ”mal visto” para algo aceito não se

CONVERSÃO E SALVAÇÃO
CONVERSÃO E SALVAÇÃO

Em breve terás de ceder a outrem as tuas dignidades e riquezas. O túmulo será a morada do teu corpo até ao dia do juízo, e tua alma estará ou no céu, ou no inferno, para ali ficar eternamente. Então nada acharás senão o bem ou o mal que fizeste; tudo o mais terá acabado.

É REGRA QUE TODO AQUELE QUE SERVE A DEUS SEJA PERSEGUIDO!
É REGRA QUE TODO AQUELE QUE SERVE A DEUS SEJA PERSEGUIDO!

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Quando uma pessoa se converte e começa a mudar os próprios hábitos e comportamentos para se conformar à vontade de Deus, o mundo começa a impor-lhe a conhecida pecha de “radical”. Experimente deixar de usar determinadas roupas, parar de fazer alguns comentários maldosos, afastar-se da turminha “descolada” do colégio ou começar a usar algum adereço externo que sinalize que você é católico. Imediatamente, o mundo começará a zombar de você.  Ninguém pense que este é um sintoma exclusivo dos nossos tempos.

POR QUE NÃO SOU PROTESTANTE?
POR QUE NÃO SOU PROTESTANTE?

Por que não sou protestante? São sete as razões principais pelas quais não sou protestante: 1. Somente a Bíblia… Os protestantes afirmam que seguem a Bíblia como norma de fé. Acontece, porém, que a Bíblia utilizada por todos os protestantes é uma só; em português, vem a ser a tradução de Ferreira de Almeida. Por

RECORRER À VIRGEM MARIA, NO MOMENTO DA TENTAÇÃO.
RECORRER À VIRGEM MARIA, NO MOMENTO DA TENTAÇÃO.

Se o receio de não perseverar no bem é capaz de nos inquietar e perturbar nos períodos de paz e de tranquilidade espiritual, quanto mais facilmente o faz no momento doloroso e terrível da tentação. Quando nos encontramos em luta com o nosso mais traiçoeiro inimigo, quando o mundo, os sentidos, as criaturas nos atraem e procuram arrastar-nos para longe de Deus, que luta, que atroz agitação para a alma que não quer sucumbir e está prestes a fazê-lo!