O Sacramento da Comunhão para quem vive a segunda união.

O Sacramento da Comunhão para quem vive a segunda união.

Desta vez atenho-me em compartilhar esse brilhante testemunho que evidencia os frutos da obediência que colhem aqueles que seguem a risca os ensinamentos de Jesus Cristo conservados pela Igreja desde sempre e para sempre.

Como disse o Papa Pio XII: “O matrimônio entre batizados validamente contraído e consumado não pode ser dissolvido por nenhum poder sobre a terra, nem mesmo pela Suprema Autoridade eclesiástica”.

Testemunho:
Foi na década de 1940 que o primeiro matrimônio de Peter chegou ao fundo do poço, e terminou com a sua esposa o abandonando. Apesar de saber que um novo casamento o distanciaria de Deus e da Igreja – Peter não só era católico, como apreciava a leitura de G. K. Chesterton e John Henry Newman, beato, ele casou-se novamente, no civil com Anne, que, à época, era uma espécie de católica não praticante. Quando seu filho, Peter Jr. nasceu, em 1950, o casal decidiu colocá-lo em uma escola católica. Durante o seu segundo ano de preparação para receber os sacramentos da Confissão e da Comunhão, a vida de fé dos Stravinskas recebeu um impulso inesperado. O padre conta como aconteceu: “Cheguei em casa da escola um dia e disse: ‘Mãe, eu te amo muito’. ‘Eu também te amo’, ela respondeu. ‘Mãe, quando eu morrer, quero ir para o Céu!’ ‘É claro, todos nós queremos’, ela disse. ‘Bem, nós temos um problema. Se eu morrer e for para o Céu, e você e o papai não estiverem lá, continuará sendo Céu?’ ‘Ué, por que papai e eu não estaríamos lá?’ “Porque a irmã Rita Gertrude disse hoje na aula que pessoas que não vão à Missa no Domingo vão ao inferno quando morrem” Sua mãe imediatamente encerrou a conversa. Mais tarde, naquela noite, quando seu pai voltou do trabalho, Peter Jr. foi mandado para o seu quarto, enquanto os seus pais discutiam sobre a conversa que fôra mantida mais cedo. Peter lembra bem as palavras que ele ouviu enquanto se escondia atrás da porta: “Temos um problema com o nosso filho’, disse a mãe. ‘O que é?’, perguntou o pai. ‘Aquela irmã louca da escola está nos causando problema. Ela disse ao Peter hoje que nós vamos ao inferno porque não vamos à Missa aos domingos’. ‘Bem, o que você esperava que ela dissesse?’ ‘Quando for a escola amanhã para ajudar com o trabalho voluntário, vou mandá-la cuidar da própria vida e ficar fora da nossa casa’ ‘Bem, você pode fazer isso – o marido replicou. Só não sei se vai servir para alguma coisa” Depois disso, Peter lembra de uma breve pausa antes de ouvir seu pai acrescentar: “Eu acho que há provavelmente uma solução mais simples. Talvez seria mais fácil para nós começarmos a ir à Missa aos domingos. Assim, convenceríamos a irmã de que não iremos para o inferno”

No domingo seguinte, toda a família Stravinskas assistia à Missa unida, pela primeira vez. O que começou a incomodar Anne foi o fato de que, no momento da Missa em que as pessoas iam receber a Sagrada Comunhão, ela não estava apta a participar. Mesmo desejando receber Jesus, ela sabia que viver com um homem que, aos olhos da Igreja, era casado com uma outra mulher, a impedia de receber Jesus em sua alma. O filho Peter Jr. Stravinskas, hoje sacerdote de Cristo (na foto abaixo, quando no seminário), lembra de ouvir a sua mãe dizer uma vez: “Eu não sei por que vou à Missa afinal, se eu não posso receber a Sagrada Comunhão” O casal eventualmente trouxe essa dificuldade para o pároco da sua comunidade. Ele disse aos dois que uma maneira de proceder seria pedir às autoridades da Igreja em Roma que examinassem a primeira união de Peter, para determinar se ela realmente havia existido. Se o matrimônio fosse declarado inválido, Peter e Anne estariam livres para casar e ajustar o seu relacionamento aos olhos de Deus e da Igreja, pavimentando o caminho para que eles pudessem receber a Comunhão. Mas o padre os advertiu também que o processo de nulidade não só era demorado, como custava caro. O bom padre, então, apresentou ao casal uma solução muito mais simples. “Ele disse que a solução mais fácil para que eles participassem integralmente na fé católica seria abster-se de relações sexuais, e viver como irmão e irmã”. “Daquele momento em diante, foi o que eles fizeram”, relata Padre Peter. Foi só nos seus anos de colégio, discutindo com o seu pai sobre a doutrina católica em relação ao matrimônio, que o padre Stravinskas descobriu a verdade sobre a decisão de seus pais. “Bem, é verdade, situações irregulares acontecem”, disse-lhe o seu pai. “Mas, para sermos fiéis a Cristo, sua mãe e eu temos vivido como irmão e irmã por 10 anos até agora” “E eles viveram assim até o fim do seu matrimônio”, conta o padre. Peter faleceu em 1983, com 71 anos. Anne viveu até os 87, morrendo em 2005.

O padre Stravinskas alertou para o perigo de que se introduza um pensamento mundano dentro da Igreja, como uma espécie de “cavalo de troia”. “Se é verdade que uma pessoa permanece ligada ao seu cônjuge, ainda que o seu matrimônio fracasse, isso significa que qualquer atividade sexual subsequente em que a pessoa se envolva é pecado de adultério. Foi o que Jesus disse nos Evangelhos”, ele diz. Segundo o padre, “quem discorda desse ensinamento tem um problema com Deus, não com a Igreja. Quando as pessoas me dizem que não aceitam a doutrina da Igreja sobre o divórcio e as novas uniões, eu digo a elas: ‘Vamos fazer a sua afirmação mais precisa. O que você está realmente dizendo é que você não aceita o ensinamento da Segunda Pessoa da Santíssima Trindade sobre esse assunto’. (…)

Esse ensinamento sobre o divórcio e as novas uniões não compete à Igreja mudar. Vem do próprio Deus. A Igreja levou tão a sério essa doutrina que chegou a perder toda a Igreja na Inglaterra nos anos 1530, por causa da sua fé na indissolubilidade do matrimônio”. O padre Stravinskas também explica por que é gravemente errado para católicos divorciados em segunda união se apresentarem para receber a Sagrada Comunhão. “É o pecado do sacrilégio. Aproximar-se indignamente do mais santo dos Sacramentos. São Paulo é muito claro sobre isso em sua Epístola aos Coríntios. Ele diz que uma pessoa deve examinar a si mesmo antes e, se não estiver preparada, não deve receber o corpo e sangue do Senhor. Se ele o faz – e aqui está a pena – ele come e bebe a própria condenação”, afirma.

Na Familiaris consortio, o Papa João Paulo II escreve: “A Igreja, no entanto, com base nas Escrituras reafirma a sua prática de não admitir à comunhão eucarística para os divorciados que se casam novamente. São eles os que não podem ser admitidos, uma vez que o seu estado e situação de vida contradizem objetivamente a união de amor entre Cristo e a Igreja, que é significada e realizada na Eucaristia”.

Por fim, o testemunho da família Stravinskas é bastante pertinente: mostra como, mesmo sendo difícil, a castidade é acessível a todos, por mais difícil que seja a sua situação. Nossa fé nos ensina que Deus dá a todos a graça para evitar o pecado. No testemunho desta família reconhecemos nitidamente os frutos da obediência e a resposta para questão sem por e nem tirar uma vírgula sequer!

 

Equipe Padre Rodrigo Maria

Deslize para ver mais...

Veja Também:

DOUTRINA CATÓLICA X DOUTRINA DA CNBB – REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL
DOUTRINA CATÓLICA X DOUTRINA DA CNBB – REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

DOUTRINA CATÓLICA X DOUTRINA DA CNBB – REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL A CNBB (e os partidos de esquerda) diz que: A redução da maioridade penal não resolve o problema da violência; a prisão não os reeduca; que devemos lutar pelo DESENCARCERAMENTO;… Ademais esses menores infratores são crianças pobres da periferia reagindo contra uma sociedade excludente

O que aconteceu com a Modéstia?
O que aconteceu com a Modéstia?

“OS PECADOS QUE MAIS LEVAM ALMAS PARA O INFERNO SÃO OS PECADOS DA CARNE” O que aconteceu com a Modéstia? Isso foi o que disse nossa Senhora em Fátima após mostrar o inferno aos pastorinhos. E depois disse ainda: “Hão de vir umas modas que ofenderão muito a Nosso Senhor”. Em nossos tempos a modéstia

O ABORTO É MOTIVO DE EXCOMUNHÃO?
O ABORTO É MOTIVO DE EXCOMUNHÃO?

O ABORTO É MOTIVO DE EXCOMUNHÃO? O aborto é uma chaga que se alastra por quase todos os países. Atualmente, ele passou a ser considerado um ”direito”da mulher. Faz parte da chamada ”cultura da morte” que, aos poucos está sendo implantada no mundo. Contudo, mesmo passando de algo, ”mal visto” para algo aceito não se

A Importância da Devoção dos Cinco Primeiros Sábados
A Importância da Devoção dos Cinco Primeiros Sábados

“Deus quer estabelecer no mundo a devoção a meu Imaculado Coração” A devoção dos Cinco Primeiros Sábados Na terceira aparição, em Fátima, a 13/7/1917, a SSma. Virgem anunciou que viria pedir a comunhão reparadora nos primeiros sábados”. Mais tarde, a 10/12/1925, quando a Irmã Lúcia já estava na Casa das Dorotéias, em Pontevedra, na Espanha,

BENTO XVI: “FRENTE AO RELATIVISMO E A MEDIOCRIDADE, SURGE A NECESSIDADE DA RADICALIDADE”.
BENTO XVI: “FRENTE AO RELATIVISMO E A MEDIOCRIDADE, SURGE A NECESSIDADE DA RADICALIDADE”.

Nos ensinou o Papa emérito, Bento XVI: “Frente ao relativismo e a mediocridade, surge a necessidade da radicalidade. A radicalidade evangélica é estar em Cristo, firmes na fé. No momento atual se vive um eclipse de Deus, uma certa amnésia e uma verdadeira rejeição do cristianismo , uma negação do tesouro da fé recebida, com o risco de se perder o que mais profundamente caracteriza os católicos” – (Fonte: Papa Bento XVI , na jornada mundial da juventude em Madri).

A ILUSÃO DE NÃO MATAR E ROUBAR
A ILUSÃO DE NÃO MATAR E ROUBAR

Quantos de nós ao tocar em assuntos da sagrada religião com alguns de nossos amigos católicos não fomos alvejados por uma emaranhado de frases relativistas que, de certa forma, até nos ofendem… Mas por que, afinal de contas, é tão ofensivo ser católico de verdade, querer viver na graça de Deus e fazer um mínimo

DEPRESSÃO O MAL DO SÉCULO
DEPRESSÃO O MAL DO SÉCULO

Ela chega de mansinho, assim como quem não quer nada. Num dia, você acorda triste, desanimado. No outro, bate uma sensação de vazio e uma vontade incontrolável de chorar, sem qualquer motivo aparente. A depressão é assim, um mal silencioso e ainda mal compreendido – até mesmo entre os próprios pacientes. Considerada um transtorno mental afetivo,

O amor que devemos ter pela cruz de Jesus.
O amor que devemos ter pela cruz de Jesus.

A tentação de apresentar um cristianismo sem cruz revela-se, aos poucos, decepcionante, porque é somente na cruz que se descobre o amor de Deus. A cruz possui um significado inegociável para o cristianismo. É somente por meio do Cristo crucificado que se pode compreender “o poder de Deus” – (1Cor 1, 24) e a sua ação salvífica

A DIGNIDADE DO SACERDÓCIO CATÓLICO.
A DIGNIDADE DO SACERDÓCIO CATÓLICO.

Diz Santo Afonso maria de Ligório: “O empenho com que os demônios trabalham na nossa ruína, deve excitar o nosso zelo, em assegurarmos a salvação. Ó, como esses inimigos terríveis porfiam em perder um padre! Ambicionam com mais ardor a perda dum padre, que a de cem seculares, não só porque a vitória alcançada sobre um padre é para eles um triunfo mais brilhante, mas porque um padre na sua queda arrasta muitos outros desgraçados para o abismo”- (fonte : Santo Afonso de Ligório, trecho retirado do livro “A  Selva” – O Mal da Tibieza no Padre, III).

Ladainha da Humildade – mais que uma oração, um modelo de vida
Ladainha da Humildade – mais que uma oração, um modelo de vida

A humildade é a mãe de todas as virtudes. Reze conosco esta magnifica oração que nos relembra sobre os diversos aspectos em que podemos exercitar a humildade em nossas vidas. Esta oração foi composta pelo Cardeal Merry del Val, secretário do Estado do Vaticano durante o pontificado de São Pio X. Ladainha da Humildade Senhor,